E depois de 25 anos eles se reuniram… e eu estava lá PORRA!

Algumas coisas em nossa vida imaginamos que nunca irá acontecer, e assim como ganhar na Loto, uma trégua entre Slash e Axl e ambos subindo no palco juntos parecia distante, quase impossível, aliás inconcebível nessa vida. Mas desde que o ano de 2016 começou parece que tá tudo pelo menos para mim dando certo, e de repente foi anunciada esta volta. Desde então aguardei pacientemente (e guardando dinheiro obviamente) para que viessem ao Brasil, e neste 11 de novembro de 2016 auto presenteei-me com um dos presentes mais inesquecíveis que pude, um ingresso de pista premium para este pandemônio no Allianz Park. Pare tudo o que está fazendo e confira nesta reZenha rodeada de lágrimas e emoção sobre o show DA MINHA VIDA.

Em meados de março de 2010 havia comprado meu primeiro ingresso para um show de grande porte, na época era o mesmo Guns N’ Roses, com outra formação é verdade e a turnê era de divulgação do mais aguardado álbum de todos os tempos o Chinese Democracy. Achava que esse show seria inesquecível pelas circunstâncias e por ter sido o primeiro, mas eis que o inconcebível acontece 6 anos depois, como já havia adiantado na introdução, a trinca de ferro voltou ainda mais forte e entrosada: Axl Rose, Slash & Duff. O Show foi regado a muito emoção desde a entrada.

Fomos de Pista Premium para ficarmos bem próximo, só que nosso ônibus atrasou mais de 1 hora e quarenta minutos, quando finalmente parou depois de emocionantes e desesperadoras paradas e congeladas no trânsito caótico de São Paulo, fizemos como no filme noventista Detroit Rock City, corremos sem olhar pra nada como se não houvesse amanhã por mais de 2 quilômetros (Quase enfartei) pulando as grades da bilheteria (Pois os caminhos eram longos para ir até  fim e voltar e já que não tinha muita fila…ksksks) chegamos, retiramos ingressos e adentramos ao estádio. O mais engraçado foi quando ao passar por todos os setores até entrar de fato no gramado, começou a tocar Tom Jones – It’s Not Unusual, clássica música de Um Maluco no Pedaço quando o Carlton faz aquela dancinha… na hora eu estava tão focado que demorei a compreender, mas meu melhor amigo Douglas que estava atrás de mim raxou o cú de rir porque a trilha bateu perfeitamente com nós entrando desesperados no gramado e eu na frente dele ksksksks

Bom, após ficarmos numa posição interessante, calibramos com breja e ficamos aguardando. Pontualmente o show de abertura com Plebe Rude foi as 19:00 se não me engano… Coincidentemente comecei a escutá-los a um tempo atrás e quando confirmaram como banda de abertura curti demais, eles surgiram junto com Aborto Elétrico, Legião Urbana e Capital Inicial e de certa forma ficaram na sombra das mesmas… Mas suas músicas são atuais até hoje criticando a nossa enfâme política. O bom que mostraram músicas de um novo trabalho e não foram vaiados como normalmente alguns sem educação fazem, desrespeitando o nosso rock. Pelo contrário ao final e em suas músicas mais conhecidas foram ovacionados com aplausos.

O show teve pontual 1 hora de duração. E daí em diante pura drenalina e tensão, todos aguardavam o show mais esperado do século. A grande diferença do Axl de 2010 para este foi na entrada, em 2010 o FDP atrasou mais de 2 horas fazia o que queria, mandava e desmandava, ou seja o show começou mais de meia noite, desta vez não, acho que uma das cláusulas da volta que Slash e Duff devem ter exigido eram a pontualidade ou um atraso aceitável, e foi o que aconteceu, eram exatos 21:30 e o robozinho apareeu no telão atirou uma garrafa e uma animação muito massa com o Logotipo do Guns surgiu no telão onde haviam mensagem sublimares, uma espécie de escultura maia ou inca em torno do símbolo onde dependendo aonde a iluminação pegava (Simulando a posição do sol apareciam a bandeira dos países por onde o Guns ia passar na América Latina, eu vi do Brasil, Argentina e acho que da Costa Rica), os 50.000 pagantes entraram em extâse absouto.

As luzes se apagaram e um grave que impossibilitou muita gente de gravar os vídeos da premium devido a potência (Nenhum vídeo ficou com áudio 100%, quando a bateria de Ferrer estralava com o bumbo) estava quase na hora, e quando avistei lá atrás Richard Fortus subindo com sua guitarra branca já fiquei ensandecido e alguns segundos depois  começou tocar uma musiquinha que depois fui descobrir que era do Looney Tunes (Ideia do Slash certeza!) e quase que instântaneo aquela rasgada de baixo da It’s So Easy, o Allianz Park transformou-se em um Pandemônio, sim era o Guns N’ Roses em sua melhor formação subindo aos palcos regaçando.

01. It’s So Easy- Acho que fora ela, só a Welcome To The Jungle seria melhor, a partir dela foi uma sequência destruídora, nao tinha como ficar parado, todo o estádio pulando e cantando a plenos pulmões desde os primeiros versos, fazendo Axl Rose ficar pilhado e a todo momento subir nas caixas de som como se fosse seu palanque.. foi do caralho esse começo, todo mundo pulando e cantando.

Na boa vou mandar revelar esta foto... porque fui eu mesmo que tirei ksksks

Na boa vou mandar revelar esta foto… porque fui eu mesmo que tirei ksksks

02. Mr. Brownstone – Quando aquelas primeiras batidas de bateria começaram a galera ainda sem recuperar-se da primeira música entrou em delírio e continuamos a pular e grita desesperadamente… essa música é uma das que mais curto, pela sua pegada assim como a Rocket Queen que fora tocada mais pra frente você fica ensandecido.

03. Chinese Democracy- Muita gente acho que fica se contorcendo ao ver Slash e Duff tocando essa música afinal é do álbum que ambos não estavam, e eu estava acostumado com os arranjos que os anteriores haviam feito ao vivo que por sinal são mais da hora, entretanto os arranjos que eles fizeram também ficaram muito fodas… e o que me surpreendeu é todo mundo pulando e cantando-as também… doideira aquela guitarra verde que Slash usou nessa música e ele solando-a ficou massa demais!

04. Welcome To The Jungle- You know where you are? You are in the jungle… baby… you gonna dieeeeeeeee…!!! Cara confesso que só ouvi a primeira pergunta, já nas arranhadas que Slash dava antes do famoso e icônico grito de Axl a galera já estava em pavorosa… Só sei que foi uma viagem paradoxal com aquele telão simulando um portal 3D e todo mundo pulando e cantando sem camisa e girando-a como se fosse um jogo de futebol… PUTA QUE O PARIU… eu estava sentindo meu coração saltar pela boca e não conseguia parar de pular, cantar desgraçadamente e ninguém conseguia. Quando no meio da música temos aquele Solo de batera e novamente Axl questiona se sabemos onde estamos consegui notar que quando ele foi excalamar a última frase “You Gonna Die”, ele trepado no altar da bateria, ficava andando de um lado para o outro olhando aquela galera por uma pausa maior do que o convencional, era notório que ele estava pilhado vendo aquele povo, afinal São Paulo é sua casa, é aqui onde houveram os melhores shows de sua carreira, e por alguns segundos ele ficou admirando aquele fervo todo quase se esquecendo, mas eis que esporreou o seu YOU GONNA DIE e todo mundo junto, digitando chega a arrepiar!

05. Double Talkin’ Jive – Quase enfartando dei uma pausa, mas da metade da música para frente de folego recuperado e lá vamos nós de novo no agito!

06. Better – A versão atual dela ao vivo ficou muito melhor, os arranjos que Duff e Slash deram-na deixaram muito mais humana, uma puta de uma música do Chinese Democracy que só ficava estranha em virtude de um break eletrônico no final, foi  finalmente arrumada e tornou-se uma fodolenta música com um olho muito doido no telão e aquele solo dela com a finalização com Axl envocando o caipiroto para fazer o seu famoso drive tomaram conta!

07. Estranged – Aqui meus olhos começaram “a suar”, já no começo dela chuviscos tomaram conta e todo aquele clima da música emociona até o mais insensível da platéia, arrepia só de lembrar, que momento lindo, olhava para os céus com a chuva dando uma apertada e aquela platéia nas arquibancadas iluminada como um céu cheio de estrelas com os flashes e voltava a olhar para o palco, qualidade da performance ao vivo… era algo emocionante de se ver, ouvir, sentir… Sem palavras, e a expectativa era que continuasse assim até a November Rain (Espero que tenham entendido o porquê).

Começou a garoar, emocionante!

Começou a garoar, emocionante!

08. Live and Let Die – Nossa não via a hora de presenciar esta música ao vivo novamente, um mix de lentidão com agitação no tom certo, um cover perfeito de Paul Mccartney. Tomei um susto com o estouro que deu no refrão, muito forte e o Axl infelizmente se guardando para não queimar a largada (Não era nem metade do show) não soltou os drives no refrão como estamos acostumados, porém compreensível, se o fizesse, não teríamos mais show, entretanto não decepcionou , conseguiu agitar e a galera substituiu pelo drive de 50.000 pessoas, que foda!

09. Rocket Queen – Uma das minhas favoritas, típica música para curtir chapado, mas infeizmente não tinha como, só que muito bem tirada, harmonizadamente Slash se destaca e toma o palco nessa música com seus solos e Axl extremamente empolgado cantando-a feliz e mandando um CHUPA a quem critica sua voz!

10. You Could be Mine- Quando acabou a Rocket Queen avistei no telão um T-101 já sabia que a próxima seria a música que me fez curtir o Hard Rock, e nas primeiras batidas da batera já fiquei lokasso! Depois saquei porque Axl se segurou na Live and Let Die, o que foi aquele segundo ato da música onde parecia que estava em um show de 1990 do Guns? SENSACIONAL!

11. Attitude – Cover dos Misfits tradicional nas antigas turnês do Guns voltou à tona com Duff novamente nos vocais para não deixar ninguém parado!

12. This I Love- Esta música do Chinese eu estava ansiosamente esperando, onde muitos rumores indicam que as baladas do Guns teria um desfecho com um videoclipe desta música (Entenda aqui sobre a TRILOGIA) e particularmente um dos ápices do vocal de Axl Rose Live seria nesta canção, e novamente ninguém foi desapontado. Uma música que é praticamente à capela e com um solo de guitarra incrível emociona, e vendo Axl destruindo nessa música emocionou cara (Ainda mais com aquela garoinha)!

13. Civil War – Aqui parece que fui imergido a turnê dos Illusions, em 2010 eles não tocaram ela, então foi um deleite aos fãs, porque é uma música integralmente técnica, instrumental e vocal, e ficou sensacional ainda sim ao vivo, já era notório um desgaste do frontman e também notório seu esforço para manter a qualidade para aquela ensandecida platéia.

14. Coma – Eu já imaginava que iam tocar esta rara canção, pois dificilmente tocavam até na década de 90, mas como nos setlists estava cantando fiquei na expectativa, e sim, tocaram, uma música longa e que exige um drive filho da puta e condicionamento para uma música agitada de quase 10 minutos. No final o Axl quase arregou, precisou cantar com a voz grave mas conseguiu terminá-la em grande estilo, e foi ovacionado pelos espectadores que lá estavam presenciando.

15. Speak Softly Love (Love Theme From The Godfather) – Como eu queria voltar a ouvir este solo nos shows do Guns. E aqui já era sabido que a próxima era a música mais tocada de todos os tempos, Sweet Child O’ Mine!

16. Sweet Child O’ Mine – Nenhuma alma ficou parada, mal dava para ouvir o Axl (Assim como em todas as músicas pois todo mundo cantava junto). E que qualidade de som, a acústica, tudo, perfeito! Uma pena Slash estar geração saúde, pois agora não fuma mais, e aquela cena icônica dele solando essa música com o cigarrinho do capeta nunca mais! ksksks

Slash olhando para mim ksksks

Slash olhando para mim ksksks

17. Wish You Were Here – Como nos demais shows este jam do Pink Ployd sem vocal antecipava a November Rain, ou seja, uma campanha de Facebook chamada Ballon Rain foi iniciada, onde foi combinado que soltaríamos bexigas vermelhas durante a execução da música.

18. November Rain – O melhor de tudo foi que a galera começou colocar o flash da celular por trás então dava um efeito muito louco pela Arena. Só podia admirar aquilo tudo, uma das coisas mais lindas que presenciei, e no telão quando mostrou Axl, ele estava dando um sorriso maroto de gratidão por tudo aquilo. Tudo isso resultando em uma performance inesquecível, da banda  e platéia, uma pena que a garoa havia passado, senão seria muito pra mim aquilo tudo!

Não consegui fotografar, é do Guns N' Roses Fã Clube, mas precisei colocar aqui para terem uma ideia de como ficou foda!

Não consegui fotografar, é do Guns N’ Roses Fã Clube, mas precisei colocar aqui para terem uma ideia de como ficou foda!

19. Knockin’ on Heaven’s Door – Já me remeteu um show do Guns no tributo ao Freddie Mercury em 1991. Com Slash com aquela guitarra de dois braços, foi muito louco, Axl se guardou até o final quando pede para  a galera cantar junto o refrão, ali ele regaçou, eu táva muito perto mano, puta que pariu, era nítido as expressões dele…  Arrepiava!

20. Nightrain – Tinha três cornetas perto de mim, quando Axl buzinou nelas foi ensurdecedor… ksksks… ali depois de umas músicas mais lentas, pelo menos onde eu estava começamos a pular que nem putinhas ksksks

Encore (Famoso Bis!):

21. Don’t Cry – Nossa em 2010 ela não foi tocada ficou aquele gostinho amargo na época, e agora contrariando a música não teve como não chorar, e diferente do Klaus Meine, Axl ama ficar ali na passarela colado na premium, ele cantou pertinho e que performance…  foi perfeito com aquela iluminação azul baixa.

22. The Seeker – Cover da banda The Who. Esta música parece que é original do Guns, parece que foi feita para o Guns, assim como alguns outros covers que o Guns toca e que fazem mais sucesso com o Guns que os músicos originais!

Axl Rose e Duff em ação!

Axl Rose e Duff em ação!

23. Paradise City – Bateu uma tristeza pois aqui sabíamos que era o fim, já nos primeiros acordes. A música finalizou de forma sensacional assim como em 2010, muitas explosões, aqueles confetes, e o Axl jogando uma corrente dele e o microfone caindo quase perto de mim, que raiva. Aí com a música acabando foi ficando apenas a saudade, uma saudade eterna de um dos momentos mais inesquecíveis do ano, do século e da minha vida!

Agora tudo ficará na memória e em fotografias… Qualquer trauma de péssimas memórias de 2010 foram extirpados com o melhor show da minha vida! Meus demônios e o de Axl Rose foram expulsos finalmente, para nunca mais voltar! No final era nítido a sua alegria e de 50.000 Gunners (Esquecendo-se até que ão tocaram My Michelle e Patience, mas quem se importou com um show desses?), e acho que tudo o que está acontecendo pode ser resumido em uma palavra: Redenção.

Final de show, estávamos PERPLECTOS ainda, olha a cara do Douglas! ksksks

Final de show, estávamos PERPLECTOS ainda, olha a cara do Douglas! ksksks

E você foi ao show? Conte-me sua opinião e experiência. O seu comentário é a alma do Blog.

Eu fazendo cover do Axl, gordinho e de bandana!

Eu fazendo cover do Axl, gordinho e de bandana!

Siga-nos no WordPress – https://rezenhando.wordpress.com/
Siga-nos no Twitter – https://twitter.com/Birovisky
Curta no Facebook – https://www.facebook.com/rezenhandoaculturapopaz/
Inscreva-se no Youtube – https://www.youtube.com/channel/UCCfmjZm3KuEE-XsNhfBnqvQ

Anúncios

2 comentários sobre “E depois de 25 anos eles se reuniram… e eu estava lá PORRA!

  1. Pingback: TAG: 6 tarefas que deseja concluir até dezembro | Rezenhando

  2. Pingback: TAG: Perguntas Aleatórias… | Rezenhando

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s