Rezenha Crítica Sem Limites 2011

Um daqueles filmes que você não dá um real, e quando assiste se surpreende. E digo mais, por ser de 2011 acho que até o endeusado Martin Scorsese chupinhou alguns lances técnicos deste filme na obra O Lobo de Wall Street um de meus filmes favoritos. Confiram a “rezenha” crítica de Sem Limites.

O filme já começa do fim, com o escritor Eddie Morra, interpretado por Bradley Cooper (que não sou muito fã e nem confiro seus filmes, apesar que preciso admitir sempre envolvido em coisa boa) querendo se jogar de um prédio com alguém tentando arrombar uma porta blindada, o filme já te prende ali, aí ocorre um corte e aí sim vamos para o começo da obra.

Morra está sofrendo um bloqueio criativo. Seu ex cunhado lhe apresenta um remédio revolucionário que libera 100% da capacidade cerebral, sua vida muda instantaneamente.  Aprende línguas, faz cálculos, consegue ler e escrever muito rapidamente. Porém, para que tudo isto ocorra, ele precisa tomar o remédio todo dia. Em poucas semanas Eddie vira o rei de Wall Street chamando a atenção do mega empresário Carl Van Loon (Robert De Niro) que o contrata para fechar um dos maiores negócios da história.

A caracterização de Eddie é do típico vagal que não quer nada com nada, e se não me falhe a memória eu vi  em Morra muito de outro personagem que Cooper já fez, no caso protagonista de O Lado Bom da Vida.

O filme tem uma duração excelente para a proposta, 100 minutos intensos e bem “porra loka”, com cenas muito bem rodadas, principalmente nos apagões que o personagem dá por causa da droga e a multifuncionalidade de Morra quando está usando 100% do cérebro, mostra de uma forma bem real como seria alguém executando o ápice intelectual.

Uma jogada de direção fantástica é o contraste de luzes enquanto Morra está sob efeito do remédio NZT, é nítido os olhos ainda mais claros de Bradley Cooper com um tom sépia pela ambientação quando o mesmo está sob o efeito. E quando está em seu estado normal é tudo muito sem graça, um ambiente bem cinzento típico de metrópole.

Além da excelente direção e edição o elenco sustenta o filme com atuações muito boas. Fora a lição de moral que o filme nos envia de uma forma subentendida, sobre as pessoas que usam descontroladamente qualquer tipo de remédio e as consequências disso.

Mas a pergunta que não sai da minha cabeça é: Alguém tem um NZT para vender? ksksksksksksksksksksks

Iria assistir de novo? Com certeza.

Minha nota é 5/5.

E você o que achou do filme? Conte-nos para saber sua experiência. O seu comentário é a alma do Blog.

Leiam mais rezenhas críticas!

Siga-nos no WordPress – https://rezenhando.wordpress.com/
Siga-nos no Twitter – https://twitter.com/Birovisky
Curta no Facebook – https://www.facebook.com/rezenhandoaculturapopaz/
Inscreva-se no Youtube – https://www.youtube.com/channel/UCCfmjZm3KuEE-XsNhfBnqvQ

4 comentários sobre “Rezenha Crítica Sem Limites 2011

Deixe uma resposta para Felipe Calabrez Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s