Rezenha Crítica Star Wars: Os Últimos Jedi 2017

E vamos para o oitavo capítulo desta treta familiar intergaláctica. Tive o inenarrável prazer de estar em uma “junked” do filme e conferir as mais de duas horas deste aguardado filme. Confiram a “rezenha” crítica de Star Wars: Os Últimos Jedi e descubram se ainda é mais do mesmo ou algo lúdico e inovador foi adicionado a maior franquia do cinema de todos os tempos.

Uma continuação direta de Star Wars: O Despertar da Força com os novos personagens devidamente apresentados no longa anterior, chegou o momento da franquia finalmente explorar mais a fundo cada um deles, mostrando uma jornada bem definida, que não é necessariamente guiada por um único herói. Então, enquanto Rey está tentando encontrar seu lugar no mundo e aprender sobre a Força e sobre ser uma Jedi, os guerreiros da resistência, Poe, Finn e a novata Rose (que na minha opinião foi totalmente desnecessária por querer trazer à tona discussões do mundo real em momentos inoportunos), traçam planos para tentar se defender dos ataques da Primeira Ordem.

Durante suas  duas horas e meia o longa faz questão de enfatizar que a cada ato heroico feito sem pensar, recursos e vidas são perdidos e que uma guerra não pode ser vencida apenas explodindo coisas, há também a necessidade de decisões estratégicas e de uma boa liderança que influenciam indireta e diretamente em uma guerra e todo esse peso é explorado.

Se engana que a atuação da General Leia Organa foi apenas um fan service em virtude da morte de Carrie Fisher, sempre com decisões sábias e dignas, mostra a importância de seu personagem e como acender a fagulha da esperança de uma revolução.

Enquanto os heróis da resistência são mais aprofundados neste longa, apenas Kylo Ren é explorado na Primeira Ordem (e ainda nem tanto como deveria). Os vilões continuam sem destaque e muitas questões continuam em aberto, por exemplo Snooker que desde o episódio sete mostrava um poder descomunal mas que neste fica em total segundo plano com total descrédito com uma certa soberba (coisa que não deveria acontecer com seres elevados, independente de que lado está) que digamos decreta o seu fim.

Eu achava que veria apenas um um Porg, e de repente deparei-me com uma ilha cheia deles, já surtei né mas até que foram criados vários momentos cômicos com estes personagens que foram exclusivamente projetados apenas para serem engraçadinhos e vender bilhões de produtos licenciados, não são tão irritantes quanto os Gungans e em alguns momentos conseguem ser mais fofos que os Ewoks, apesar que tem um Gungan em especial que eu adoro e vou contra a maioria, o Jar Jar Binks, que se reinserido de forma correta poderia ser importante para o universo Star Wars (nego lê isso e quer me matar).

O filme possui muitos altos e baixos que quase me fizeram cochilar na sala de cinema, inebriado pelo horário é verdade onde a idade não possibilita mais estas loucuras. Alguns momentos e diálogos do longa tentam nos fazer de idiotas ou simplesmente ignoram a lógica desde quando Ray pisa na ilha onde está Luke que chega a ser irritante o despreparo de um Jedi, não pelo despreparo em si, mas o roteiro mesmo muito mal feito nestes momentos que fazem de Luke mais um coringa do que Jedi.

O jogo confuso que foi inciado no trailer desenvolve-se pelo filme onde há uma espécie de dança entre o lado das Sombras e o da Luz, envolvendo Rey e Kylo Ren. Eles sempre aparecem espelhados e comunicando-se por telepatia, conflitados sobre o seu caminho e origem, interligados de uma maneira emocional que nenhum outro filme da franquia havia ousado fazer. O contraste entre eles também é visualmente interessante e fica ainda mais rico nas cenas em que eles são colocados lado a lado em uma sequência muito bem elaborada.

Falando em cenas de ação são tudo o que podíamos querer, acrescentando um visual exuberante, vide a batalha em Crait, um planeta que tem um solo feito de um mineral vermelho coberto por sal. Quando as naves voam, levantam uma névoa cor de sangue que faz parecer que o cenário inteiro está ferido por conta do embate. É um momento que dá vontade de rever muitas vezes, pena estarmos assistindo em 3D que deixa tudo mais escuro, não vejo a hora de assistir em casa com o contraste “estralando” na tela.

Algumas discussões que são importantes para a sociedade em um geral são discutidas desnecessariamente em Os Últimos Jedi, como por exemplo o maltrato de animais e o tráfico de influência (que acarreta na venda de armas  e naves para os dois lados), dormi nessa parte.

Star Wars: Os Últimos Jedi consegue ser melhor que seu antecessor por conta da ousadia e vontade de não ser chamado apenas de um remake mal feito que se utiliza de referências. Neste conseguimos notar uma identidade própria sem perder a essência, e principalmente, para quem realmente é fã emocionar-se com algumas cenas que vão ecoar para sempre na mente.

Iria assistir de novo? Sim, de preferência sem o 3D.

Minha nota é 3/5.

E você o que achou do filme? Conte-nos para saber sua experiência. O seu comentário é a alma do Blog.

Leiam mais rezenhas críticas!

Siga-nos no WordPress – https://rezenhando.wordpress.com/
Siga-nos no Twitter – https://twitter.com/Birovisky
Curta no Facebook – https://www.facebook.com/rezenhandoaculturapopaz/
Inscreva-se no Youtube – https://www.youtube.com/channel/UCCfmjZm3KuEE-XsNhfBnqvQ

Anúncios

5 comentários sobre “Rezenha Crítica Star Wars: Os Últimos Jedi 2017

  1. Pingback: A minha visão para um futuro Star Wars! | Rezenhando

  2. Também gostei bastante do filme, mas ressalto que essa nova geração de Star Wars Disney, por melhor que seja, e nem que chegue ao episódio 180, não será melhor que O Império Contra-Ataca, por exemplo, a mão de fada da Disney segue outro rumo, essa parte da venda de armas e maltrato de animais é mesmo muito chata, aliás, Fyyn e Rose são personagens Disney clássicos, e no meu ponto de vista 100% descartáveis, o próprio Fynn perdeu seu co-protagonismo nesse filme pra virar um cara chato e sem graça.
    Outro ponto que claramente identifica a criação do univero Disney, é além da morte do Han no filme anterior, é a quase total exclusão de alguns personagens da franqui original como Chewbacca, C3PO e R2-D2, quase não aparecem, e não servem pra nada no filme … Pobre Chewbacca, um valente guerreiro que vai caindo no esquecimento …. Enquanto o “fofo” BB8 é quase um herói no filme.
    Enfim, parece que eu só to falando mal do filme … Mas não é isso, Star Wars é e sempre será Star Wars, o problema é o digamos “desrespeito” que a Disney tem com os fãs e a franquia original, por mudar tão abruptamente criando um novo universo, não me surpreenderá se nos próximos filmes aparecer um feiticeiro, ou alguma coisa do tipo … Mas é um bom filme sim, que inclusive garantiu a compra do box dessa trilogia … Parsecs de distância melhor que o Despertar da Força …
    Diferente de todos os outros, o que não significa que é ruim …

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s