Rezenha Crítica Memórias do Padre Germano

Memorias do Padre Germano

Depois de um tempo sem ler livros com a temática Espiríta retomei com um clássico indicado pelo escritor e palestrante Orson Peter Carrara, referência na área, inclusive o mesmo, escreveu um livro sobre este que li e irei vos “rezenhar” convosco. Confiram a “rezenha” crítica de Memórias do Padre Germano.

Continuar lendo

Magnetismo, Meditação, Espiritismo e as Árvores

Nossas condições física e espiritual assemelham-se a uma árvore e suas respectivas características: raízes, troncos e folhas espalhadas por suas extremidades. Da mesma forma quando não nos sentimos bem, seja fisicamente ou espiritual, precisamos nos atentar à cerne do que nos aflige. Tratamentos paliativos não retornam nenhum benefício à longo prazo, da mesma forma como uma árvore com a raiz doente, suas folhas amarelam e secam constantemente, mesmo cortando, as novas que virão à nascer já estarão comprometidas, da mesma forma como o tronco, se o mesmo estiver infestado por insetos nocivos, independente do veneno empregado futuramente os problemas vão continuar repetindo-se num loop infinito.

Continuar lendo

Por que não encontramos vida em Marte?

Há bastante tempo era algo que estava com vontade de escrever, o embasamento para tal afirmação vem de dois assuntos que desde os primórdios caminham em lados opostos, ciência e religião, só por este fator é um tempero intrigante nesta viagem alucinada sobre o porquê até hoje por mais avançada nossa tecnologia possa estar ainda não encontramos vida em nosso vizinho Marte.

Continuar lendo

TAG: “Ler é um presente!”

Ler e um presente

Fui convidado pela Pamella do Matutare a escrever sobre a TAG “ler é um presente”. Sinto-me honrado pelo convite, e apesar de não ter um hábito diário de ler, desenvolvi um pouco desta habilidade de uns 4 anos pra cá. Logicamente que não é rotineiro, mas para quem não lia nada desde a infância, ler algum livro de vez em nunca já é um imenso avanço, até para desenvolver a escrita. Agradeço a um antigo amigo, perdido, nas paradoxais linhas do tempo já esquecidas, que sempre incentivou-me. Então vamos lá!

Continuar lendo