Rezenha Crítica O Vendedor de Sonhos 2016

Este é um típico filme que não se pode analisar apenas o filme em si, mas a sua importância num todo para quem o assiste e a mensagem que tenta passar. Só quem passou por situações transcritas, tentativas de suicídio e a “fossa total” irá conseguir ver “além do muro” de uma maneira diferenciada, não que sejam melhores de quem não passou por tais situações, mas a forma de se receber a mensagem torna-se diferenciada. Confiram a “rezenha” crítica de O Vendedor de Sonhos.

O ser humano não morre apenas quando seu coração pára de bater, muitas vezes ele morre quando deixa de ser útil a alguém e a incapacidade de ajudar a quem mais amamos.  Com esta premissa que o filme sustenta-se , além de tratar da vida como um todo, se alcançando o ápice e a vida perfeita que “o sistema promete” compensa, tornar-se um milionário e bem sucedido profissionalmente almejando sempre ser o melhor realmente é satisfatório em contrapartida à vida pessoal abrindo mão dos pequenos prazeres da vida com família ou amigos. É de se refletir.

O filme é baseado no livro com mesmo nome de Augusto Cury, sinceramente mal adaptado, pois um tema tão rico e intrigante foi sendo levado a banho maria por no mínimo 30 minutos chamando o telespectador de burro com alguns momentos até surreais, partindo do princípio que o filme ambienta-se em nossa realidade, mais especificamente na cinzenta realidade da capital de São Paulo. Alguns atores também foram ou mal escolhidos ou mal aproveitados.

O personagem do Mellon (O mestre) poderiam ter pego um ator melhor, não sei, não li o livro então talvez quiseram ser fiel ao livro caso o personagem tenha aquele sotaque ou origem, mas eu teria ido atrás de outro, um Tony Ramos ali seria no mínimo DO CARALHO! Um ou outro coadjuvante também deixaram a desejar, os que mais emocionaram foram Dan Stulbach (Tom Hanks brasileiro) e o ator que faz seu filho no final. Mas o Tom Hanks só desenvolve a partir da metade do filme, desde o começo parecia ainda meio perdido e deslocado do peso que seu personagem tinha teoricamente que carregar.

Existe um ponto crucial do filme onde é conciliado uma excelente trilha sonora composta apenas no piano lembrando muito as que mais ouço com a derradeira cena onde são apresentados as frustrações de Júlio César (Dan Stulbach) que pode lhe fazer escorrer uma lágrima, um lapso de boa direção e que fez a nota saltar porque conseguem transmitir a mensagem que finalmente tanto ansiávamos, e daí em diante uma sequência primorosa, onde o mito é derrubado e levanta-se novamente trazendo à tona de onde surgiu o “Vendedor de Sonhos”.

Minha nota é 3/5.

E você o que achou do filme? Conte-nos para saber sua experiência. O seu comentário é a alma do Blog.

Confiram os meus filmes favoritos!

Leiam mais rezenhas críticas!

Siga-nos no WordPress – https://rezenhando.wordpress.com/

Siga-nos no Twitter – https://twitter.com/Birovisky

Curta no Facebook – https://www.facebook.com/rezenhandoaculturapopaz/

Inscreva-se no Youtube – https://www.youtube.com/channel/UCCfmjZm3KuEE-XsNhfBnqvQ

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s