Ash, Demônios e muito, mais muito Sexo, Drogas e Rock N’ Roll!!!

Critica Ash vs Evil Dead

O que falar de um quarentão maneta, andando por aí com uma motosserra acoplada no lugar da mão exterminando “demonhos”, que curte um Hard Rock do mais alto quilate, munido da melhor espécie de Skunk do mercado e só pegando as minas mais tops (com pelo menos idade para serem suas filhas) com as típicas cantadas de pedreiro? Este cara atualmente provavelmente já teria sido assassinado por alguma feminazi sedenta por sangue hétero. Mas em Ash vs Evil Dead, sabemos quem é que manda! Confira a reZenha crítica de Ash vs Evil Dead.

Este cara chama-se Ashley Williams, personagem provindo dos anos 70, da trilogia A Morte do Demônio ou Uma Noite Alucinante. A série Ash vs Evil Dead foi lançada no final de 2015 como uma continuação da trilogia. A diferença é que levamos em conta que além dos banhos de sangue, trashzeira temos muita comédia no tom certo. Ou seja, dificilmente levará sustos, a não ser que assista em um som muito alto.

O primeiro episódio é dirigido pelo seu criador, Sam Raimi, e não poderia ter sido de uma maneira melhor o pontapé inicial, sou fã dele, não é a atoa que o Homem Aranha nunca mais será o “Espetacular Homem Aranha” nos cinemas, infelizmente. A série já começa da melhor forma possível, levando bem a risca o lema: Sexo, Drogas & Rock N’ Roll.

Sem muitos spoilers, a história começa a partir do momento que Ash leva para seu trailer uma cocota e ambos, fumam um baseadinho, ficam lokassos e ele tira o livro dos mortos tão bem guardado para ela soletrar algumas palavrinhas, pois bem, a partir daí a “porra fica séria”.

Muitos dessa geração mimimi, dita moranguinho, vão ficar chocados com tamanhas piadas étnicas, religiosas, racistas e machistas, onde o centro de tudo é Ash, usando os seus parceiros como escada para suas frases de efeito, mas já vou avisando que tudo isso é proposital aos desavisados ativistas. Temos um cara que ficou recluso durante 30 anos, fugindo de seus traumas, morte das pessoas que amava por causa dessa merda de livro dos mortos que no primeiro filme leram acidentalmente, isso faz a pessoa ficar meio esclerosada. E na década de 70 a sociedade era outra, ainda ouvíamos boas músicas e maconha de qualidade, entretanto não havia espaço para a homossexualidade exacerbada, mulheres ocupando cargos importantes (Mad Max =/), ou seja quando ele sai da bolha, é um Homem de Neandertal, trabalhando em um emprego de merda. Fazendo uma pequena observação, eu ri muito com o gosto discutível dele por continuar enterrando as pessoas fincando uma cruz de madeira artesanal na terra sobre os corpos, e no caso dos pais de Kelly, sua parceira (que parece um cover da Amy Winehouse piorado), e a mesma dizer que os pais dela eram judeus, e ele com cara de merda retruca: “Por quê não falou antes? Assim não perderíamos tempo!”

Além de tudo isso ainda temos a nossa Xena em um papel que não sabemos para que o que veio, mas o que vale mesmo é a sua milfidade santificada servindo de colírios aos nossos olhos.

O curioso sobre a série e dificilmente lemos por aí, é que mesmo antes da primeira temporada estrear, o canal Starz já havia garantido uma segunda temporada, sem ao menos saber qual seria a recepção do público, ou seja já prometia vir com qualidade. Esperemos que pelo nível de sua primeira temporada é que chegue no mínimo até a quarta sem enrolação, e não ocorra o efeito Supernatual ou Dexter. Falando em Supernatural, esta, é nestes moldes, só que melhorado, e com um potencial infinito, usando com base o que acontecia em supernatural.

Mesmo com coadjuvantes considerados fracos, eu acredito que até sejam propositais para levantarmos a bola deste quarentão caricato, onde todos servem de escada para ele soltar as suas “frases de efeito”. Isso não deixa a série em nenhum momento com um nível baixo, aliado a uma excelente trilha sonora e com episódios de aproximadamente 35 minutos, consegue manter a intensidade que a série precisa. Não vejo a hora de uma segunda e terceira temporadas, eu como fã do ambiente, fico imaginando um encontro cordial de Ash com Lúcifer por exemplo hehehe.

Minha nota é 4/5, podendo subir para 5.

E você o que achou da série? Conte-nos para saber sua experiência. O seu comentário é a alma do Blog.

Critica Ash vs Evil Dead

Anúncios

Um comentário sobre “Ash, Demônios e muito, mais muito Sexo, Drogas e Rock N’ Roll!!!

  1. Pingback: Mr. Robot, uma série que deveria ser assistida por todos | Rezenhando

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s